TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Tensão entre Arábia Saudita e Irã

Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.

Tensão entre Arábia Saudita e Irã Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
O clima esquentou no Oriente Médio e no Golfo Pérsico. O último capítulo aconteceu ontem, quando a Arábia Saudita anunciou que estava retirando todos os seus cidadãos do Líbano. Mas os sauditas não têm nada contra os libaneses. Eles quiseram atingir o Hizbollah, que é uma mistura de partido político e milícia armada, que hoje tem o Líbano nas mãos. O Hizbollah é uma ponta de lança dos interesses xiitas na região. E bate de frente com a Arábia Saudita, que patrocina a corrente rival do islamismo, os sunitas. Pois bem, atrás do Hizbollah está o Irã, que é a única potência militar xiita do mundo islâmico. A Arábia Saudita não quer que o Irã se fortaleça, o que poderia ameaça-la. A Arábia Saudita é um imenso deserto, com apenas 28 milhões de habitantes. Mas tem o petróleo e os locais sagrados para os muçulmanos. O irã tem três vezes mais gente. Também tem petróleo e procura ocupar a posição estratégica que até há 15 anos era ocupada pelo Iraque, um país que afundou depois da invasão americana. Pois bem, o enredo dessa história está no controle geopolítico da região. O curioso é que Israel, que não tem nem relações diplomáticas com esse monte de vizinhos, apoia a Arábia Saudita, porque acredita que pagaria um preço alto em caso de fortalecimento do Irã. O Líbano entra nessa história de gaiato. O primeiro-ministro libanês renunciou ao cargo no sábado passado, acusando o Hizbollah e o Irã de não o deixarem governar. O nome desse primeiro-ministro é Saad Hariri. Pois ele estava e continua na Arábia Saudita. Quem o visitou de surpresa foi o presidente da França, Emmanuel Macron. A França tem ligações históricas com o Líbano, que já foi no passado um protetorado dela. Tudo isso parece muito confuso. É um tabuleiro de xadrez com muitas mãos mexendo ao mesmo tempo nas peças. Os Estados Unidos acreditam que desta vez ainda não vai ter guerra. Mas a Arábia Saudita e o Irã já estão aquecendo as turbinas. Infelizmente. É assim que o mundo gira. Boa noite.

Veja também