TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

A reação da França aos ataques

A reação da França aos ataques
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Como vocês viram há pouco, o presidente François Hollande, se comprometeu a destruir o grupo terrorista Estado Islâmico. Ele disse que vai aumentar a presença militar da França na Síria e no Iraque, onde o grupo ocupa grandes territórios e mantém arsenais e bases de operação. É compreensível que Hollande esteja magoado, entristecido, enlutado. É compreensível depois dos atentados de sexta-feira em Paris.. Ele também faz uma declaração de guerra em nome dos franceses. Mas a questão que se coloca é outra. Eu perguntaria se essa força de vontade pode ser traduzida no plano militar. E a resposta é simples. Não, não pode. Vejam, por exemplo, que o Estado Islâmico controla a terceira maior cidade do Iraque. É Mossul, ao norte do país. Não é um vilarejo. É uma cidade de 2 milhões e meio de habitantes. Seria ótimo se a França tomasse essa cidade de volta. Mas para isso não basta bombardear pelo lado de cima. Apenas a Força Aérea não funciona. Seria necessária uma presença pelo lado de baixo, com infantaria do Exército, com o corpo-a-corpo com o inimigo. E quantos mil soldados a França poderia sacrificar para travar uma batalha desse tamanho? É aí que a porca torce o rabo. Falar é simples. Destruir o grupo terrorista de verdade é bem mais difícil. Não se sabe ao certo quantos homens o Estado Islâmico tem no Iraque e na Síria. Devem ser bem mais que os sete mil anunciados há uns seis meses.
Os terroristas têm recrutado muita gente, no Oriente Médio e na Europa. Mas eles hoje nem chegam aos pés de exércitos fortes da região, como o de Israel, do Egito ou da Jordânia. Mas eles são místicos, são bem mais motivados. É por isso que são perigosos. Precisariam de muitos cadáveres de soldado francês para recuar ou se render. O Estado Islâmico não é como a Al Qaeda. Ele precisa controlar um território.
Esses loucos acreditam que Deus está para enviar à Terra um novo profeta, e que estamos há bem pouco tempo de um juízo final. Por isso, é preciso preparar um terreno. Preparar um cenário para o fim do mundo. Pode parecer coisa de maluco. Mas isso também demonstra que a motivação desses terroristas é muito grande. O que é péssimo para a França. O que é péssimo para a Europa. E o que também é péssimo para os Estados Unidos e para a Rússia. É assim que o mundo gira. Boa noite.

Veja também