TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Príncipe saudita faz doação de US$ 32 bilhões

Príncipe saudita faz doação de US$ 32 bilhões
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Eu trago hoje para vocês uma história muito curiosa. Imaginem que, agora de manhã, um príncipe da Arábia Saudita anunciou que doaria toda a fortuna pessoal que ele tem para entidades filantrópicas. Só que a fortuna dele é de 32 bilhões de dólares. Nunca, na história da humanidade, um só indivíduo fez uma doação tão grande. Eu disse 32 bilhões de dólares. Em termos de comparação, esse dinheiro daria para financiar, aqui no Brasil, três anos do Bolsa Família. E é também o mesmo valor de mercado da Vale, que é a gigante brasileira da mineração. Pois bem, o príncipe saudita se chama Alwalleed bin Tafal. Ele tem 60 anos e é sobrinho do rei Salman. Antes dele, o maior doador mundial para obras filantrópicas tinha sido o americano Bill Gates, que é o fundador da Apple. Perto de Gates e do príncipe Bin Tafal, os grandes da filantropia parecem anões de pequenas fortunas. Entre eles, o americano Charles Feeney, que criou os free shops nos aeroportos e montou uma fundação filantrópica com 9 bilhões de dólares. Esse Feeney havia sido, antes do Bill Gates, o maior doador da história. Deu mais dinheiro que o banqueiro David Rockefeller, que fez doação, às Nações Unidas, do terreno que o prédio da organização internacional ocupa em Nova York. Mas existe uma particularidade nessas coisas. Em geral, a filantropia cresce em países onde o Estado e o dinheiro público não dão conta de toda a demanda. Isso acontece sobretudo nos Estados Unidos, onde as pesquisas em medicina e até os teatros de ópera e orquestras sinfônicas são custeadas por doações particulares. E num país como a França, onde o Estado faz quase tudo, a filantropia é fraquinha, e os bilionários acham que já fazem muito por pagarem mais em impostos. De qualquer modo, o príncipe Bin Tafal promete financiar programas de valorização da mulher, e dar ajuda humanitária a regiões atingidas por catástrofes naturais. E vocês, o que é que vocês fariam se tivessem hoje 32 bilhões de dólares? É assim que o mundo gira. Boa noite.

Veja também