TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Poupança fica mais competitiva

Comentário de Economia, com Denise Campos de Toledo.

Poupança fica mais competitiva Comentário de Economia, com Denise Campos de Toledo.
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Na média, as projeções das consultorias e analistas de mercado pioraram em relação ao desempenho da economia, Agora prevêem uma expansão de apenas 0,41%. Mas o fato é que a crise política provocou uma dispersão muito grande das projeções. De um lado, estão os que vêm condições de a economia seguir em recuperação, por toda a reorganização que vinha ocorrendo, principalmente, a queda da inflação e dos juros. Além disso, contam com a capacidade de articulação política do presidente, pra se manter no cargo e também levar adiante as reformas. Para isso contaria até com o apoio de boa parte do Congresso, também envolvida em denúncia e delações, que tem conscência, da necessidade de estabelecer uma agenda mais positiva, que reforce o crescimento, até pra reduzir o grau de insatisfação da sociedade. Por outro lado, têm os que vêem ameaças maiores relacionadas ao cenário político, que pode comprometer as reformas, a ponto de mexer, negativamente, com as expectativas, a credibilidade, que também afetam a atividade. Mas o fato é que a economia tem apresentado dados melhores, como essa queda da inflação, com a projeção desde ano em apenas 3,71%, que pode levar o Banco Central a manter o ritimo de corte dos juros, mesmo num quadro de mais incertezas. Se não cortar, na prática, pode haver aumento dos juros em termos reais, o que pesaria mais na atividade, no potencial de reação..Se a taxa básica fechar o ano em 8,5%, como prevê o mercado, a margem real de juros vai ficar acima de 4%. É mais que na época de inflação e juros elevados. Jà a inflação e os juros em queda ajudam na recuperação do poder de compra, que, por sua vez, ajudaria a impulsionar o consumo e a atividade.É a visão mais otimista, que conta com expansão do PIB este ano acima da média. Só mais uma observação: Inflação e juros em queda também ajudam a poupança a ficar mais competitiva. Além de ganhar da inflação, a caderneta já começa a bater em várias aplicações, principalmente, naquelas que só rendem mais pra quem tem mais para aplicar. A concorrência maior ainda é dos títulos do Tesouro, que rendem o mesmo pra todos.Quanto à economia, por enquanto, a crise política não afetou, de forma mais intensa, sequer o mercado financeiro. Eu volto na quinta. Até lá.

Veja também