TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Por que o crédito cresce tão pouco?

Comentário de Economia, com Vinicius Torres Freire.

Por que o crédito cresce tão pouco? Comentário de Economia, com Vinicius Torres Freire.
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Enquanto os bancos não emprestarem mais dinheiro, com juros menores, a economia brasileira vai se recuperar mais devagar.
A má notícia e que o total de dinheiro emprestado na economia brasileira continua caindo e, segundo os maiores bancos brasileiros, vai aumentar nada ou quase nada no ano que vem.
Uma notícia mais ou menos é que as taxas de juros dos principais tipos de empréstimos continuam caindo, mas mais devagar.
É o que a gente soube hoje pelo balanço mensal do crédito, feito pelo Banco Central do Brasil.
Primeiro, vamos falar dos juros. A gente viu que as taxas do cartão de crédito rotativo continuam altíssimas, além da Lua. Essas são as taxas que as pessoas pagam quando não pagam o total devido no cartão.
Mas esses empréstimos são uma minoria no total do crédito do país, uns 4%. Outras taxas continuam caindo. A juro médio para comprar um carro estava em quase 26% faz um ano, em outubro do ano passado. Agora estão em 22,5%. Caiu, mas nem tanto assim. Ajuda as pessoas a comprarem mais carros, mas nem tanto assim.
Em um ano, a taxa para comprar imóveis caiu de quase 15% para 12% agora. A taxa do empréstimo consignado caiu de 29,6% para 27%. Esses são os três principais tipos de empréstimos tomados pelas pessoas físicas, nós.
Ajuda? Ajuda, mas as taxas não caíram tanto quanto poderia se prever, dada a queda dos juros no atacadão de dinheiro, nos negócios entre bancos.
Para as pessoas jurídicas, para as empresas, o total de empréstimos ainda cai muito. Os juros, nem tanto.
Por que o crédito cresce tão pouco? Muita gente ainda tem medo de pegar empréstimos, comprar casa, carro, fazer crediário. Quem está empregado, ainda tem medo do futuro, porque a economia se recupera muito devagar. Os bancos também têm medo, temem emprestar para quem não vai ter como pagar, pelo mesmo motivo: ainda têm medo do futuro.
Uma coisa puxa a outra. A economia se recupera devagar, não dá tanta confiança para ninguém. Sem confiança, o crédito não vai para a frente. E assim a recuperação segue devagarinho.

Veja também