TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

O impacto do ajuste fiscal a longo prazo

O impacto do ajuste fiscal a longo prazo
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Levy e Mercadante juntos, na coletiva, com discurso alinhado, tentaram abafar a especulação quanto à insatisfação do ministro da Fazenda em relação aos cortes do orçamento. Levy fez questão de dizer que os cortes foram definidos com cautela e equilíbrio. Só que ele mesmo está preocupado com a queda de arrecadação, diante do enfraquecimento da economia, e afirmou que "delongas" na aprovação de medidas que podem facilitar o ajuste, se referindo às discussões no Congresso, não favorecem o crescimento. Na verdade, nada está garantido. Nem as medidas que têm de ser votadas nesta semana, pra não caducarem, nem a eficácia dos cortes de gastos anunciados sexta passada. Podem ser necessárias mais medidas, como o aumento de impostos pra garantir a meta. Até a posição de Levy já não parece tão segura. Enquanto isso, o País segue mergulhado em dificuldades. As projeções pra este ano não param de piorar. O mercado,segundo relatório Focus, do Banco Central, prevê a inflação em 8,37% - variação do IPCA -, sendo que o teto da meta é 6,5. Pra assegurar uma boa queda daqui para o ano que vem, os juros vão continuar subindo. Já se espera que a taxa básica, a selic, chegue a 13,75% agora em junho. E isso num ambiente de recessão, com a retração do PIB prevista em 1,24%.A saída pra gerar mais atividade é atrair capital externo, dinheiro privado, para as concessões de infra-estrutura, como em transportes. Já não dá pra contar com recursos públicos. Como disse Levy, o dinheiro acabou. Agora, não basta falar em abertura para o capital privado, sem um marco jurídico confiável e menos restrições ao ganho.O histórico não é bom. São as intervenções danosas no setor elétrico, é a exigência do conteúdo nacional que afeta a competitividade, é o controle da Petrobrás na exploração do pré sal, quando a própria estatal diz não ter como bancar. Enfim, continua difícil acreditar em um cenário mais benigno em 2016. A correção de rota ainda está bem emperrada. Eu volto na quinta. Até lá.

Veja também