TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Marchas na América Latina debatem a violência contra a mulher

Marchas na América Latina debatem a violência contra a mulher
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Ontem, quarta-feira, 150 mil pessoas saíram às ruas em Buenos Aires, e em 80 outras cidades argentinas. Essa multidão pedia um ponto final à violência contra a mulher. Em Montevidéu, uma passeata idêntica também reuniu milhares de uruguaios. Até em Santiago do Chile as ruas foram ocupadas. Mas vejamos a Argentina. O país possui há três anos uma lei para punir atos de violência contra a mulher. Mas essa lei aparentemente não pegou, ela não vem sendo bem aplicada. O caso que provocou maior comoção aconteceu na cidade de Córdoba. Uma professora de jardim da infância foi estrangulada em abril, pelo marido, na frente das criancinhas da classe. Há também o caso de um rapaz que espancou até a morte a namorada de 14 anos, porque ela tinha ficado grávida. O que há de excepcional nas passeatas de ontem na Argentina é que elas foram convocadas por uma só pessoa, uma jornalista chamada Marcela Ojeda. O apelo dela se espalhou como fogo de palha. No Brasil existem delegacias das mulheres, que começaram a funcionar, em São Paulo, há 22 anos. E nós tivemos bem depois a Lei Maria da Penha. Mas vejam que, por aqui, e na Argentina, a lei nem sempre funciona. E por uma razão muito simples. O agressor é o marido, é o namorado, é o filho. E a vítima hesita em levar o caso à polícia e ao Judiciário. Os agressores covardes fazem chantagem. Dizem que, se forem presos, ninguém irá trabalhar para sustentar a família. E então a mulher continua a apanhar, a ser esbofeteada, a ser criminosamente desfigurada por cicatrizes. Mas vejam que se os cidadãos saem às ruas, é sinal de que a mentalidade está mudando. Em casos de emergência, um outro parente ou um vizinho fica na vigilância. E os covardes dos agressores ficam com menos oportunidades para colocar para fora, o instinto animalesco que diabo deu a eles. As perguntas que podemos fazer são muito tristes e muito simples. Como é que esse problema ainda existe no século 21? Por que é que a gente ainda precisa falar nisso a essas alturas da história da humanidade? É assim que o mundo gira. Boa noite.

Veja também