TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Incertezas quanto ao quadro fiscal

Comentário de Economia, com Denise Campos de Toledo.

Incertezas quanto ao quadro fiscal Comentário de Economia, com Denise Campos de Toledo.
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Confira o comentário de Economia, com Denise Campos de Toledo.

"A expectativa maior em relação ao Copom não é o tamanho do corte dos juros, que deve mesmo ser de 0,25, com a Selic caindo para 6,75%. A dúvida é quanto aos futuros passos da política de juros.

Pela inflação atual dá até pra contar com mais um corte de 0,25 e taxa básica em 6,5% ao ano. Só que a atual direção do BC, desde o começo, tem chamado muita atenção para a necessidade de ajuste das contas públicas. Ajuste que depende bastante da Reforma da Previdência, que parece cada vez mais improvável.

O governo tem feito de tudo, até negociações pouco éticas, como a insistência no nome de Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho, para garantir os votos que precisa. Até ministros fora do núcleo econômico saíram a campo, com vídeos na internet, defendendo a reforma. Mas as perspectivas não são boas. Consequentemente, aumentam as incertezas em relação ao quadro fiscal. Há todo um esforço também pra cumprir da meta deste ano, que é um déficit de R$ 159 bilhões. Na semana passada já foi até anunciado um contingenciamento de mais de R$ 16 bilhões no orçamento.

Mas só cumprir a meta, e isso ainda vai depender de receitas extraordinárias, como a privatização da Eletrobras, não garante o ajuste das finanças, o que pode levar o Banco Central a parar de cortar os juros. Mais do que isso: dependendo do comportamento futuro de mercado, especialmente do dólar, e as consequências que possa ter sobre a inflação, é possível que os juros voltem a subir. Sendo que as novas políticas de preços administrados, com altas sucessivas dos combustíveis, repasses de rombos do sistema de energia para as tarifas, também podem gerar mais pressões inflacionárias.

Então, o comunicado que será divulgado junto com a nova taxa básica é que será analisado com muita atenção. Detalhe: tudo isso se refere às expectativas para este ano. Pra 2019, com novo governo e nova direção do Banco Central, supondo que mantenha o foco no controle da inflação, o mercado já prevê que a taxa básica volte mesmo a subir, chegando a 8%.

É que, mesmo com incertezas em relação ao ajuste fiscal, a previsão é de um crescimento maior da economia, que pode dar margem para remarcações de preços, num ano em que a meta de inflação será mais baixa. A meta vai passar de 4,5 para 4,25%. Por enquanto, os analistas do mercado preveem a inflação em 4,25% no ano que vem. Mas ainda há um longo caminho até lá e com uma agenda bem complicada. Boa noite."

Veja também