TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

O governo não cortou gastos como deveria

O governo não cortou gastos como deveria
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
O governo teve o pior resultado mensal e no acumulado do ano. Já se previa um resultado muito ruim dada a queda forte de arrecadação, reflexo da crise econômica. Mas não é só isso. O governo não cortou gastos como deveria. A crise política atrapalhou. Várias propostas apresentadas, ainda pelo ex-ministro Levy, enroscaram ou foram modificadas pelo Congresso. Mas quase tudo o que o governo cortou foram investimentos. Faltou mais disposição no corte de despesas. E o governo ainda está acertando as pedaladas fiscais, o que deixou de repassar para bancos públicos e o Fundo de Garantia, por conta de gastos com programas sociais. Tudo isso já levou o Brasil ao rebaixamento da nota de avaliação de risco pela agências de classificação Standard & Poor's e Fitch, e deve levar a outro, pela Moody's. Não tem como ser diferente. A evolução das contas foi péssima e não há perspectiva de uma recomposição melhor para 2016. A arrecadação deve continuar fraca porque vai ser mais um ano de recessão. Pra compensar, o governo conta com a volta da CPMF, bem improvável, e com a tributação sobre a repatriação de recursos. Nada de mais concreto. Pra mostrar compromisso com o ajuste fiscal fala em reformas, como da Previdência. Sem dúvida, uma proposta importante. Mas que não vai produzir resultados de uma hora pra outra. As mudanças só viriam a médio prazo e, antes, é preciso vencer a resistência política. A situação está bem ruim e eu nem falei dos juros que o governo vem pagando sobre a dívida pública, que já passaram dos 500 bilhões de reais em 12 meses. Gasto que vai subir mais com o aumento da taxa básica previsto pra 2016. O mercado já fala na selic em 15,25% ao ano. Mas aí é outra história. Sem os juros, o governo já teve o pior rombo da história e não tem nada mais convincente pra livrar as contas de um novo déficit no próximo ano. Eu volto na quinta. Até lá.

Veja também