TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Fatores internos e externos fazem o dólar subir

Fatores internos e externos fazem o dólar subir
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
O dólar subir hoje, aqui no Brasil, antes mesmo do novo rebaixamento da nota do País. A desculpa foi a desvalorização do Yuan. A desvalorização da moeda chinesa pode prejudicar o comércio exterior do Brasil, na medida em que estimula as exportações mas desestimula as importações, o que pode, inclusive, derrubar ainda mais os preços de commodities. Movimentos que já vem prejudicando as vendas externas do País e empresas, como a Vale. Agora, o rebaixamento da avaliação do Brasil pela Moodys, ainda que tenha sido mantida a perspectiva estável apenas reforça a tendência de alta do dólar. É mais um fator que pode afugentar o investidor estrangeiro. Embora o Brasil ainda não tenha perdido o grau de investimento, já vem sendo tratado como um País que não tem o selo de bom pagador. Nos últimos três meses a saída de dólares superou a entrada e o Brasil vem pagando em captações externas mais do que países com graus inferiores de avaliação. O problema é a deterioração rápida de vários indicadores, a dificuldade de execução do ajuste fiscal e o aumento do endividamento público. Vivemos uma crise sem perspectiva de reversão no curto prazo, reforçada por um ambiente político dos mais adversos, o que deixa o País mais vulnerável. A perda, mesmo, do grau de investimento pode levar alguns meses e vai depender muito de resultados que o País ainda possa apresentar. Difícil é contar com resultados mais satisfatórios. Por mais que o governo esteja tentando maior apoio, as divergências são enormes e sustentadas pela forte queda de popularidade da presidente. Quanto ao dólar, a dúvida que fica é se o Banco Central irá atuar com mais intensidade ou não pra conter um avanço mais forte, já que o dólar mais alto pode pressionar ainda mais a inflação que já está rondando na faixa dos dois dígitos. Por outro lado, o dólar mais alto favorece as exportações e pode dar algum fôlego à atividade econômica, num processo semelhante ao que a China tenta promover, com a desvalorização do yuan. Decisão difícil. Sem um rebaixamento efetivo do País, o mercado já fala no dólar em 3,70 ou até um pouco mais, antes do final do ano. Eu volto na quinta. Até lá.

Veja também