TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

As discussões sobre a legalização do aborto na Argentina

Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.

As discussões sobre a legalização do aborto na Argentina Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.

"A Argentina poderá em breve legalizar o aborto. Eu digo "poderá", porque a questão ainda está engatinhando. Mas a boa notícia, para os partidários da interrupção voluntária da gravidez, é que o governo deu o apoio para o começo da discussão na Câmara dos Deputados.

O projeto será apresentado dentro de uma semana, na terça que vem. E os partidários da liberação acreditam que a tramitação vai durar no mínimo dois meses. No continente sul-americano, o aborto é legal apenas no Uruguai e em duas das três guianas, a que pertencia à Inglaterra e a que ainda pertence à França.

O sinal verde para a discussão na Argentina partiu do presidente Maurício Macri. Ele se define como adversário do aborto, mas diz que a decisão é do Congresso e que não vetaria um projeto nesse sentido. Os defensores do aborto na Argentina estão espalhados por todos os partidos, inclusive o Podemos. Foi por ele que Macri se elegeu presidente, no final de 2015.

A Argentina tem 44 milhões de habitantes, quase um quinto da população do Brasil. Calcula-se que todos os anos 500 mil argentinas recorram ao aborto clandestino. E 60 mil vão parar nos hospitais públicos, com complicações provocadas por condições pouco adequadas. É por esse ângulo, e não pelo ângulo religioso, que a interrupção voluntária da gravidez se transformou em problema de saúde da mulher.

Na Europa, com a exceção da Polônia e da Irlanda, o aborto está legalizado e não é por causa disso que se criou um problema religioso. Nos Estados Unidos, o aborto foi legalizado por uma decisão da Corte Suprema. Mas alguns estados criam dificuldades e diminuem ao máximo o número de clínicas credenciadas. E a situação tende a piorar, com a onda conservadora liderada pelo presidente Donald Trump. E aqui no Brasil? Bem, este ano temos eleições. Se o assunto não for levado ao congresso, o Brasil vai ficar no finzinho de uma longa fila de países com legislação discriminatória e atrasada. É assim que o mundo gira. Boa noite."

Veja também