TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Brasil é recordista global de juros reais

Comentário de Economia, com Denise Campos de Toledo.

Brasil é recordista global de juros reais Comentário de Economia, com Denise Campos de Toledo.
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
O mercado já vinha meio dividido entre um corte de meio ou de 0,75 ponto na taxa básica. Apostou mais no 0,50 pela postura cautelosa do Banco Central. Mas o corte maior teve repercussão muito positiva. Principalmente, pela expectativa de continuidade dessa redução dos juros, talvez, com um novo corte de 0,75 já na próxima reunião do Copom. É isso que pode fazer diferença pra retomada do crescimento da economia. Na medida em que se trabalha com uma trajetória de queda dos juros básicos, o sistema financeiro começa a derrubar efetivamente os juros, de forma que faça mais diferença, o ambiente econômico fica mais favorável, os empresários começam a sair do conforto das aplicações financeiras para investir na própria atividade. Isso não acontece de uma hora pra outra. Tanto que as mexidas nos juros costumam ter impacto sobre a atividade depois de três a seis meses. Mas já são três cortes consecutivos, o que reforça a possibilidade de um desempenho melhor da economia mais para o segundo semestre. Não dá pra contar com alguma diferença imediata, além desses cortes modestos dos juros do crediário e de financiamentos. Aliás, a própria taxa básica continua muito alta. Considerando a projeção de inflação para os próximos 12 meses, a taxa real está por volta dos 7,9%. O Brasil é recordista global de juros reais. Pra perder a liderança, a selic teria de cair mais de 4 pontos. Até por isso, o mercado teve hoje uma reação bem favorável, com a bolsa em alta e dólar em queda. Juros menores podem estimular a atividade sem ameaçar a atração de investimentos. O diferencial entre os juros praticados aqui e no exterior ainda é enorme. As aplicações atreladas aos juros continuam muito atraentes. Porém, começam a ser definidas as condições para um corte mais forte e prolongado dos juros, com possibilidade de a selic fechar o ano já rompendo, pra baixo, a faixa dos 10%.Uma das principais condições é a queda da inflação. O próprio Banco Central prevê o IPCA caminhando para o centro da meta, de 4,5%. Se, além disso, não houver algum problema maior no exterior, no campo político doméstico, o governo conseguir avançar com o ajuste fiscal e o desemrpego perder força, reduzindo o risco de inadimplência, podemos ter juros bem mais razoáveis no final de 2017. Eu volto na segunda. Até lá.

Veja também