TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Bob Fernandes/ Lei antiterror é caminhar em direção ao passado

Bob Fernandes/ Lei antiterror é caminhar em direção ao passado
Logo do programa
Está no Senado uma proposta de lei para tipificar o crime de terrorismo no Brasil. Dado o momento, senadores querem acelerar o andamento do projeto de lei 499. Como e por que uma lei antiterror se o Brasil sequer começou a implantar a Política Nacional de Segurança? Política essa apenas esboçada pela Constituinte de 88. Até com ponderação, o presidente do Senado, Renan Calheiros, tem sido porta-voz nesse andamento da lei 499. Então, vamos há alguns dos problemas. E do enorme perigo. Exemplo: Renan é de Alagoas. Só em janeiro, 210 homicídios por lá; 80% deles, nas ruas. Muitos em linchamentos, com bandos se articulando para linchar. E se um juiz decidir, com boa ou má intenção, que tal ambiente caracteriza terror? E que é melhor aplicar a lei antiterror do que algumas das 181 mil leis do país? Como e onde enquadrar grupos de policiais que agem contra o Estado e aterrorizam? Como já vimos em greves no Ceará, Rio, Bahia, Minas, no norte do país... e há pouco em Brasília. As milícias no Rio, formadas por policiais, os grupos de matadores que Brasil afora se valem de fardas, serão eles terroristas ou criminosos comuns? O que vai diferenciar policiais que se articulam para matar, ou que atacam o Estado, de bandos que têm feito o mesmo em manifestações? Parodiando o vice-presidente Pedro Aleixo, quando da edição do famigerado AI-5, pergunte-se: e quem vai cuidar do juiz da esquina? E há quem tal lei interessa nesse momento? Políticos, seja de que quadrante for, têm interesse em ruas fervilhando num ano eleitoral? E aqueles que teceram bilionários negócios para a larga temporada da Copa e Olimpíada? Não falta munição para combater bandidos e quadrilhas num cipoal de 181 mil leis. Faltam polícia e inteligência policial coordenadas e democraticamente preparadas. Como, numa sociedade arisca, angustiada e prisioneira de medos, criar lei antiterror como remédio de ocasião? E qual polícia vai atuar contra o terror? Essa aí? Uma lei nascida com tal denominação, antiterror, e com a atual temperatura, é jogar gasolina no incêndio. Seria cutucar ainda mais as ruas e caminhar em direção ao passado, não para o futuro. É crescente um esgarçamento nas relações sociais, incontáveis os motivos; alguns seculares, outros do agora. O que seria de se esperar de lideranças, ainda mais num ano de eleição, são avanços, construção, reconstrução... Não do acordão de sempre, mas de um renovado pacto social. Tema: Política

Veja também