TV Gazeta TV Gazeta logo TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo, Brasil
TV Gazeta TV Gazeta, Receitas, Mulheres, Cozinha Amiga, Fofoca Aí, Revista da Cidade, Você Bonita, Gazeta Esportiva, Mesa Redonda, Jornal da Gazeta, Edição Extra, Gazeta Shopping TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!

Ante o terror islâmico, França resiste ao preconceito

Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.

Ante o terror islâmico, França resiste ao preconceito Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.
Logo do programa Jornal da Gazeta
Jornal da Gazeta
Comentário de Política Internacional, com João Batista Natali.

"Então o terrorismo atacou mais uma vez, hoje na França. Não foi nada tão dramático quanto o atentado de 2015, na casa noturna Bataclan, em Paris, que deixou 130 mortos. Nem o atentado no ano seguinte numa praia de Nice, em que o terrorista atropelou e matou 86.

O atentado de hoje nas cidadezinhas de Carcassonne e Trèbes deixou apenas três mortos. E o criminoso, de 26 anos, disse pertencer ao grupo terrorista Estado Islâmico. O importante não é o número de vítimas. É o fato de um país como a França continuar vulnerável.

Desde 1986, o país tem uma divisão especial da polícia, especializada na prevenção ao terrorismo e também tem um juiz de direito que acompanha as investigações e determina a prisão de suspeitos. Mesmo assim, o terrorista chamado Redouane Laktim fez reféns num supermercado, matou e acabou sendo morto por policiais.

A França toma dois cuidados que também existem na Inglaterra e na Alemanha. De um lado, é preciso vigiar a comunidade muçulmana para identificar núcleos de extremismo religioso. De outro lado, é preciso impedir que o medo do terrorismo acabe criminalizando toda essa comunidade numerosa e, com isso, também acabe alimentando o preconceito. É uma operação delicada e eu acredito que a população esteja reagindo de modo positivo.

Os dois principais fatores que alimentaram o racismo na França foram a dominação política da África do Norte, que considerava os árabes da Argélia ou do Marrocos como seres humanos inferiores. E o segundo fator foi a guerra da Argélia, que a França perdeu e que permitiu aos argelinos chegarem à independência. Mas as novas gerações só conhecem essas coisas pelos livros de história.

Para os que têm menos de 50 anos, o preconceito só pode entrar pela porta do terrorismo islâmico. Mas o sistema educacional francês tem sido hábil e inteligente para evitar generalizações. Tomara que continue a dar certo. É assim que o mundo gira. Boa noite."

Veja também