TV Gazeta ícone da TV Gazeta ícone da TV Gazeta +551131705643 TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta!
Av. Paulista, 900 - Bela Vista 01310-940 São Paulo SP BR
ícone da TV Gazeta TV Gazeta - Programação ao vivo, receitas, notícias, entretenimento, esportes, jornalismo, ofertas, novidades e muito mais no nosso site. Vem pra #NossaGazeta! TV Gazeta, Receitas, Revista da Cidade, Você Bonita, Mulheres, Gazeta Esportiva, Jornal da Gazeta, Mesa Redonda, Troféu Mesa Redonda, Papo de Campeões, Edição Extra, Gazeta Shopping, Fofoca

Mais de 700 mortos na peregrinação a Meca

É muito complicado juntar tanta gente, como acontece na Meca, sem o risco de incidentes trágicos como o de hoje.

Mais de 700 mortos na peregrinação a Meca É muito complicado juntar tanta gente, como acontece na Meca, sem o risco de incidentes trágicos como o de hoje.
Logo do programa Jornal da Gazeta
É muito complicado juntar tanta gente, como acontece na Meca, sem o risco de incidentes trágicos como o de hoje. Nos tempos de nossos avós, o santuário do mundo muçulmano recebia por ano 50 mil fieis. No ano passado, foram 2 milhões. A Meca fica na Arábia Saudita, onde, por causa do petróleo, não falta dinheiro para nada. O governo já investiu 2 bilhões de dólares para aumentar o conforto e a segurança dos peregrinos. Mas nem sempre funciona. Há duas semanas, a queda acidental de um guindastre matou 107 pessoas. Hoje foram mais de 700. Não se conhece a origem do tumulto de hoje. A Arábia Saudita é uma monarquia ditatorial. A imprensa não é livre para investigar. As autoridades dizem que, agora de manhã, os fieis não respeitaram o fluxo das passarelas, que dão acesso ao local da tragédia. Mas o líder de um grupo de peregrinos do Irã, diz que a culpa foi da polícia, que fechou duas passarelas e provocou o tumulto. Tudo aconteceu a quatro quilômetros da Meca, onde três colunas são apedrejadas num ritual religioso. Essas colunas indicam o local em que o patriarca Abraão - chamado de Ibraim, pelos árabes - foi tentado pelo demônio e o rechaçou a pedradas. Isso há 4 mil anos. Bem antes de Maomé, que fundou a religião muçulmana no século 7 depois de Cristo. A comunidade muçulmana cresceu no mundo árabe, entre os persas, na Ásia e na África. E ela tem hoje mais poder aquisitivo para cumprir a obrigação de, pelo menos uma vez na vida, peregrinar até a Meca. A história dos tumultos é longa e já produziu milhares de mortos. O pior incidente foi em 1990, quando mais de 1.400 morreram dentro de um túnel para pedestres. Os peregrinos são hoje enquadrados por 100 mil policiais. Eles têm ainda a assistência de 25 mil médicos e enfermeiros. Não adiantou nada. As 220 ambulâncias não davam conta, agora de manhã, de recolher os mais de 800 feridos. Todos os números são superlativos quando falamos da Meca. É assim que o mundo gira. Boa noite.
Leia mais sobre:
Siga o Jornal da Gazeta nas redes sociais