Razões para visitar Macau. A Lisboa do Oriente na China.

 

Conhecida como a “Lisboa do Oriente”,esta ilha situa-se a meio caminho entre duas grandes culturas hegemônicas, a civilização chinesa e a portuguesa. Trata-se de um lugar único, pois ali convivem o miojo com os pastéis de Belém, embutidos ibéricos com empadinhas dim sum, o pato pequinês com o leitão português, o parque dedicado ao escritor Luís de Camões com atividades de Tai Chi Chuan ao ar livre, o chá chinês com os vinhos do porto ou a fachada da Catedral de São Paulo com o templo taoísta A-Ma,  que foi construído no século XIII entre outras muitas sinergias. Por isto, se você está procurando motivos ou razões para visitar Macau, chegou ao lugar indicado.

Gastronomia macauense

Através da cozinha, podemos encontrar diversos elementos que nos lembram a passagem da cultura portuguesa durante mais de 4 séculos. Elementos e ingredientes lusos com os utensílios chineses, fazem da cozinha típica macauense todo um “patrimônio da humanidade”. São poucos os lugares no mundo que possuem uma fusão, combinação e sinergia como a que apresenta a gastronomia típica macauense. Provavelmente para a apreciação de um viajante brasileiro à gastronomia lusa, deve se acrescentar a mexicana, a francesa ou a japonesa para incluir nesta lista.

 

Lisboa Oriental

Graças à influência lusa na cidade, Macau tem sido distinguida como “Património da Humanidade” pela Unesco. Podemos encontrar múltiplos edifícios que dão veracidade à afirmação anterior tais como:

 -Consulado de Portugal
-Ruínas da Catedral de São Paulo
-Cemitério católico de São Miguel
-Fortaleza do monte.
-Bairro de São Lourenço
-Parque Vasco Da Gama e Luís de Camões
-Ruas feitas de paralelepípedos, típicas da época colonial portuguesa
-Faro da Guia.
É importante destacar que as ruínas da Catedral de São Paulo são consideradas por muitos como uma das sete maravilhas do mundo de origem português.

Las Vegas da Ásia.

Segundo diversas fontes, Macau já superou Las Vegas em faturamento anual, seus mais de 40 cassinos dão veracidade a esta afirmação. Para o viajante brasileiro, e sabendo que não há cassinos no Brasil, os cassinos apresentam um jogo de luz e de cor junto aos prédios modernos que agradam bastante a vida e a paisagem. Recomenda-se caminhar de noite sob a luz da lua e milhares de luzes que decoram os arranha-céus da cidade. Observar desde baixo a imensidão e a grandeza de lugares como “El Grand Lisboa” são espetáculos que não se podem apreciar diariamente. 

As Pessoas

É verdade que na Ásia as boas pessoas e a boa educação abundam. No entanto, em Macau podemos achar que pelo fato de terem pouco turismo ocidental, os macaenses e chineses vindos de outros lugares da república são muito abertos. Não é incomum  pararem o viajante pela rua para querer fazer uma fotografia com ele. Para eles, é algo exótico e interessante ser fotografado com um ocidental em um templo cristão ou budista.

Da mesmoa maneira, o viajante poderá se sentir muito bem-vindo e aceito se desejar tirar fotografias deles. A fascinante paisagem de ver pessoas com rasgos orientais em edifícios de aspecto ocidental, resume como poucas, a miscelânea da cidade. Se você estiver interessado em viajar e conhecer Macau na China, não perca esta oportunidade.

Vila de Taipa

Deixando de lado os grandes hotéis e cassinos que nos últimos anos proliferaram em Taipa, o viajante achará o lugar conhecido como “A Vila”. Afastado dos arranha-céus do século XXI, podemos ter uma ideia de como era Macau até o dia 20 de Dezembro de 1999 quando as competências administrativas mudaram de Portugal para a China. Recomendamos caminhar pela vila para descobrir as casas museus. De estilo totalmente colonial, são um pulmão e um espaço verde.

 

**Conteúdo de Marca